07/05/2011

[Resenha] Os Meninos de Gateville


Jimmy, um escritor de sucesso, vivendo um momento de absoluto conflito emocional, sai para uma viagem sem rumo e acaba chegando à Gateville, uma cidade que sequer consta no mapa.
Ao chegar à Gateville, o escritor se vê diante do maior mistério que até então vivenciou (ou criou em seus romances!) e, sem que planejasse, assume o compromisso de descobrir o que aconteceu na noite em que o menino Tommy morreu.
No entanto, as três crianças que estiveram com Tommy, no dia do crime, deixaram a cidade e Jimmy passa a procurá-las por vários lugares do mundo.
Durante a procura pelos meninos de Gateville, a vida de Jimmy vai mostrando um lado que nunca havia sido exposto... Será que descobrir o que aconteceu com Tommy trará a redenção de um passado? É só isso que Jimmy pensa enquanto segue a pista, cidade por cidade até chegar ao Brasil.
Um crime tão abominável quanto este precisa ser desvendado. O mundo não pode esquecê-lo, como Gateville o fez... mas tudo tem de ser feito com tempo marcado.


Dificilmente temos um autor brasileiro escrevendo romances policiais e de suspense. De alguma maneira, excetuando Patrícia Mello e Rubem Fonseca, o gênero é deixado meio de lado por aqui. Não me considero uma fã do gênero, mas depois de uma ótima critica por parte de uma amiga, resolvi ler Os Meninos de Gateville, me enveredando pela história de Jimmy Cleveland.
É difícil parar de ler para entender o que está se passando com esse personagem... O que mais me interessou foi a busca contínua pelo meninos que podiam ser supostas testemunhas para o crime cometido contra Tommy, um menino de apenas 10 anos. O tempo esteve muito presente durante a história principalmente no final, o desespero que nós sentimos por pensar que ele não vai conseguir evitar que o pior aconteça.
Quando comecei a leitura, percebi que não daria para parar. A construção do suspense é gradual, mas parece que a atmosfera criada por Renatho já estabelece uma expectativa no leitor. Quando você menos espera já está procurando pelos supostos assassinos de Tommy pelo mundo inteiro.
A capa do livro é um mistério à parte. Tão enigmática que possibilita inúmeras interpretações, mas que transmite uma sensação de desolação e tristeza. Isso acredito que seja perceptível facilmente. Também, se perceberem, na capa está esse homem caminhando sozinho por esse local frio deixando apenas suas pegadas... E, na contracapa, só vemos as pegadas. Esses aspectos da capa me chamaram muita atenção, mas somente depois que terminei a leitura e passei a apreciar o livro no intuito de descobrir alguma coisa além do que ele mesmo diz .
Não vou entrar nas minúcias da trama porque ela é o grande show do livro. Mas gostaria de avisar que até agora poucas pessoas têm conseguido escapar dessa armadilha construída pelo autor. Quem abre o livro e “chega à Gateville”, vai ficando e quando percebe já está torcendo para que tudo se resolva logo para que possa voltar a sua vida normal.