19/06/2011

[Resenha] Lerulian - A Queda da Cidade dos Homens


A Ponte Colossal havia sido acesa novamente, e na Ilha de Neihnhamp, dentro dos portões da Fortaleza de Almuk-Rahn, exércitos de silcs saíam para achar o pacote carregado por Vaan Sorg.
Uma guerra por poder, vingança e liberdade ganhará forma na Província de Ilen-Hol.
De que lado você está?

Neste livro conhecemos Vaan Sorg -- rapaz de 17 anos muito corajoso ou muito tolo, ainda não consegui decidir --, que depois de um dia acordar e não encontrar os pais descobre que tem uma importante missão e que terá que deixar a Cidade dos Homens, seu lar desde que nasceu. Em sua mala ele carrega todas as dúvidas sobre sua própria existência e sobre sua família, ao mesmo tempo que tem que lutar para sobreviver aos ataques de criaturas bizarras como as mulheres aladas e os silcs.
Em sua jornada com destino a Gravelt, nosso jovem herói encontra pessoas que se tornam importantes no cumprimento de sua missão. Cada qual tem sua personalidade própria e muitos de seus aspectos fazem com que nos identiquemos com eles. Para mim foi uma aventura fascinante acompanhar a evolução de cada um durante a viagem, o modo como ficam mais maduros com as novas experiências, o laço de amizade que aos poucos se forma entre eles...
Rua Kaisir é o um guerreiro que não parece temer nada nem ninguém. É valente, corajoso e merece o mérito por ter feito Sorg continuar em frente qaundo estava prestes a desistir. Lothar e Null são muito carismáticos. Me conquistaram desde a primeira piadinha idiota. O mago Axel Amagog então, nem se fala... É um feiticeiro à moda antiga, magrelo e sem habilidade com espada, mas pra compensar, quando tira o chapéu todos saem correndo... E a Hélora? Ah, essa é mais do que especial pra mim! Uma mulher que vai contra os principios machistas dos seus companheiros de viagem e é uma excelente guerreira. Corajosa e um pouquinho mimada, ela conquista a todos onde que que esteja.

"– Você tem certeza que ela é uma mulher? – perguntou Lothar para Axel – Porque certamente ela é mais homem do que eu!"

O mundo de Lerulian (Editora Novo Século, 285 páginas) é uma questão à parte. Eu precisaria de séculos e milhares de folhas de papel para descrever como me senti ao entrar naquele universo fantástico que o autor criou. Não é apenas um cenário sem vida, não são apensas descrições, não são apenas palavras... Dan Albuk conseguiu fazer com que eu me sentisse parte daquele lugar, foi como se eu pudesse ouvir as espadas sendo moldadas na ferraria Fogo Amigo onde Sorg trabalha com seu pai, foi como se eu pudesse ouvir os lamentos dos eternamente condenados da Terra Morta, foi como se eu pudesse olhar para os Campos Amarelos e me perder em sua imensidão... Simplesmente mágico!
O livro se assemelha à Eragon em alguns aspectos, mas melhorado. Uma coisa que muito me incomodava na escrita de Christopher Paolini eram as longas descrições sem emoção que me davam a incomoda sensação de que estavam lá para fazer volume e com Lerulian isso não acontece. Ele brinca com a imaginação do leitor, fazendo com que tudo fique mais interessante.
O Dan tem muito potencial. Percebi em sua escrita uma clara influência de Tolkien e do mestre Stephen King. Uma mistura perfeita que resultou num estilo próprio, com suas nuances e pontos fortes. Os fãs de histórias épicas com aventura, emoção, suspense, uma causa a defender, honra, romance e uma pitada de humor estão certamente convidados para a leitura. Todos os elementos são dosados na medida certa, tornando Lerulian um dos melhores livros nacionais que eu já li. Estou aguardando ansiosamente pelo próximo volume e, sinceramente, espero que esta história nunca acabe.