08/08/2011

[Resenha] Filhos do Céu, a Lapsit Exillis


Filhos do céu é uma saga dividida em três partes, os grandes
segredos dos anjos serão revelados. Dentro deste mundo “os cavaleiros lordes”, “a invasão no celeste” e “o santuário de cristal”.
O livro mostra uma luta do bem contra o mal de anjos poderosos com seus temíveis poderes. Eles precisam impedir que a força do mal liderada
por Iago “os cavaleiros lordes” possa destruir a terra por completo, assim o conselho celestial, envia quatro cavaleiros celestiais com a
missão de deter os cavaleiros lordes. Mas no resumo de todo este conflito, da dor, luta, sangue, morte e vitória, não passa de mais um
plano de estratégia do grande e poderoso Melkiresha, chefe do exército das sombras, que tem a intenção de invadir o reino celestial futuramente para conseguir atingir os seus objetivos – encontrar o santuário de cristal, uma fortaleza onde esconde um grande segredo mortal para o universo.
Se você conhece tudo sobre anjos, prepare-se para esquecê-los, conheça e entre no mundo dos filhos do céu.
As suas guerras e suas paixões começarão aqui.


Este é um livro de aventura e suspense que conta a história de anjos que batalham contra seres do mal.
O imperador do mal, Melkiresha, envia seus guerreiros, os Saieds, para uma invasão celestial. Trava-se uma verdadeira batalha, na qual Melkiresha busca a pedra sagrada, Lapsit Exillis, que é a responsável por manter o equilíbrio entre o bem e o mal. Será que o mal vencerá dessa vez? Os anjos conseguirão detê-los a tempo, antes que o futuro da Terra seja comprometido?
A idéia do autor foi muito boa. Apesar de não ser um tema completamente original, a forma como ele o abordou foi completamente sensacional. As armaduras, as armas, as ordens dos anjos... Mas confesso que não gostei do livro. A narrativa do autor é entediante, não nos convida a devorar o livro num piscar de olhos. 
O fato de ele ter escrito o livro como um roteiro para uma peça teatral também não contribuiu. Além de ficar cansativo, é chato ficar lendo os nomes dos personagens toda hora.
Eu simplesmente não concordo com os anjos terem apenas dois poderes cada. Parecia que eu estava no meio de um episódio tosco de Dragonball Z...
Peço desculpas ao autor, que teve a boa vontade de me enviar o livro, mas eu não posso falar bem de um livro que eu não gostei. Não posso inventar pontos positivos onde eles não existem. 
Enfim, não tenho muito o que dizer sobre este livro. Recomendo que vocês próprios o leiam para tirarem suas conclusões.