19/11/2011

[Resenha] Quem matou o livro policial?


Um serial killer em atividade há 130 anos? Um Gabinete de Leitura que oculta o maior mistério já investigado por qualquer detetive das novelas policiais? E o que tem isso a ver com o assassinato a sangue frio do ultimo livro de Raven Hastings, cometido na Capital Brasileira de Literatura? Afinal, quem matou o livro policial?

Imagine que surpresa desagradável seria se, ao iniciar a leitura de um romance policial, você descobrisse que alguém matou a emoção da história, contando logo nas primeiras páginas quem é o culpado? É isso o que acontece com Ágata-Maria quando vai ler o mais novo livro de seu autor favorito, Raven Hastings. E o pior é que ela está sendo acusada de ter cometido o crime!
Um velho amigo seu, que não via há muito tempo, foi contratado para resolver o mistério do assassinato do livro Assassinatos na Biblioteca. Será que o perpetruador deste horrível crime será descoberto?
Quem matou o livro policial? (Editora Galera Record, 160 páginas) é o livro que foi requisitado para a prova do CEFET e por esse motivo, pensei que seria uma daquelas chatas leituras obrigatórias. Me enganei! Peguei o livro e quando assustei... tinha terminado!
É uma leitura rápida e fácil e o autor tem uma narrativa dinâmica, impedindo que o tédio domine o leitor. A trama é muito bem feita e eu não fui capaz de resolver o mistério antes do fim do livro, mesmo prestando atenção no mínimos detalhes.
Recomendo a todos, inclusive àqueles não muito ligado em livros policiais. É pequeno e interessante. Vocês vão gostar, tenho certeza.