28/08/2012

[Resenha] Automatopéia


Em um lugar próximo ao Oceano Atlântico, centenas de máquinas e equipamentos trabalhavam incessantemente. Era mais um exercício do que o  homem conseguia fazer de melhor: consumir desenfreadamente os recurso naturais de nosso planeta.
Toneladas de combustíveis fosseis, derivados de petróleo, metais e mais uma centena de recursos considerados raros - ou, melhor dizendo, caros - alimentavam furiosamente a execução de um grandioso projeto, tão promissor quanto o de Hemienu.




Introdução
Ergus, um jovem e brilhante cientista, ao inventar o IDIGIT, o descriptografador mais potente do mundo, não imaginava que estaria contribuindo para os planos sigilosos de outro cientista ainda mais famoso, que tinha ciência de um fato perturbador. Perseguido, sequestrado e usado como experimento, Ergus deverá usar o seu senso crítico para decidir que qual lado está, e o mundo depende de sua decisão.

Espaço
A história tem como cenário a cidade fictícia de Benigman e o Complexo Tecnológico da Uninet. O autor descreve os espaços com eficiência, rápida e detalhadamente.

Tempo
Atrama se inicia em 30 de maio de 2164, e se desenvolve em aproximadamente três semanas. A passagem do tempo é bem demarcada e fácil de acompanhar.

Personagens
Não há um desenvolvimento psicológico profundo dos personagens, mas devemos considerar também o volume da obra, que é muito pequeno. Há um quantidade considerável de personagens, e eles interagem entre si apenas o necessário, dando prioridade à ação da trama.

Enredo
Automatopéia (Editora Mutuus, 192 páginas) é uma ficção científica futurística, que trata não apenas de avanços tecnológicos, mas também da importância da preservação do meio ambiente.
A narrativa, em 3ª pessoa, é muito rápida e dinâmica, e quando menos esperamos há uma reviravolta inesperada.

Estrutura Artística

  • Capa: embora tenha tudo a ver como seu conteúdo, não é muito atraente. As cores usadas não chamam atenção do leitor.
  • Título da Obra: um nome muito incomum! Não consegui decifrar o significado por trás deste título, se alguém souber, me dê uma luz! Mesmo assim, prende e fica na memória. Soa futurístico, então creio que é apropriado.
  • Sinopse: é um trecho da obra, o  próprio epílogo. Não acho que tenha sido a melhor escolha, pois termina muito subitamente e deixa aquele dúvida no leitor - não o tipo de dúvida boa, aquela que você quer ler mais a história, mas sim aquela do tipo, ahn?
  • Diagramação: o livro é dividido em 48 capítulos pequenos, com prólogo e epílogo. O tamanho da fonte é grande e não há detalhes nem enfeites no inicio de cada capítulo. Bem simples.


Estrutura Física

  • Capa: material comum, com filipetas, onde se encontram mais informações sobre o autor.
  • Páginas: brancas, ou seja, refletem mais a luz.


Recomendações
Aqueles que gostam de ficção científica irão adorar essa obra, além de ter também espaço para romance, ação e conscientização ambiental.

Análise
Espaço: 3,5
Habilidade do autor: 4
Diversidade de ambientes: 3
Tempo:5
Concordância com a época: 5
Passagem do tempo: 5
Personagens: 2,6
Interação: 2
Personalidades: 3
Aparência e carisma: 3
Enredo: 4
Originalidade: 4
Aspectos ortográficos: 4
Narrativa: 4
Intensidade da trama: 4
Estrutura Artística: 3,25
Capa: 3
Título da Obra: 4
Sinopse: 2
Diagramação: 4
Estrutura Física: 4
Capa: 5
Páginas: 3
Minha Opinião: 3,5
Nota Final: 3,6