13/12/2012

[Resenha] O Restaurante no Fim do Universo


Trinta anos celebrando a genialidade cômica de Douglas Adams...
O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante no Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apena se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão fatal?
A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da Galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível.
O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente O Guia do Mochileiro das Galáxias, mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor.
Com seu estilo inteligente e sagaz, Douglas Adams prende o leitor a cada página numa maravilhosa aventura de ficção científica combinada ao mais fino humor britânico, que conquistou fãs do mundo inteiro. Uma verdadeira viagem, em qualquer um dos mais improváveis sentidos.


CONTÊM SPOILER LEIA O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS ANTES DE PROSSEGUIR.
Introdução

Depois de sobreviver à poesia vogon, a bombardeios de um planeta abandonado e terem descoberta a Resposta para a Questão Fundamental da Vida, do Universo e Tudo o Mais -- sem saberem qual é a pergunta, de fato --, Arthur e seus quatro amigos decidem confrontar aquele que rege o Universo, para descobrir o que diabos ele pensa que está fazendo.
Não será tão fácil, porém. Tal árdua missão irá envolver um perigoso mergulho solar, banhos frios e algumas garrafas de Dinamite Pangaláctica.

Espaço
Passamos por alguns cenários inéditos neste volume: alguns agradáveis, como o sempre-ensolarado Beta da Ursa Menor, e outros nem tanto, como uma certa nave predefinida para colidir com um planeta.

Tempo
Passado e futuro se mesclam nessa obra. A viagem no tempo finalmente deu o ar de sua graça. Definitivamente não vou arriscar um palpite do tempo decorrido.

Personagens
Não entendo como gosto tanto de personagens tão bobos e mal elaborados. Tirando Marvin, com sua depressão crônica, eles não têm o mínimo desenvolvimento psicológico, mas conquistam o leitor mesmo assim.

Enredo
O Restaurante no Fim do Universo (Editora Arqueiro, 173 páginas) tem uma trama ainda mais intensa e confusa do que a do primeiro volume da série. Devo admitir que estou fascinada por toda essa loucura.
Algo que considero importante ressaltar é o interessante método utilizado por Douglas Adams para se aprofundar em estórias paralelas sem afetar o andamento da trama principal, utilizando trechos retirados do guia para explicar coisas que não ficariam bem em um diálogo.
Por outro lado, venho percebendo que os livros acabam muito repentinamente. A maior parte dos autores se preocupa em finalizar suas obras com uma situação marcante, que mantenha aquecido o interesse do leitor na série. Adams não parece ter esse cuidado, colocando um ponto final em seus livros quando dá na telha. Ele aparentemente não se importa se o leitor vai ter uma reação completamente "ahñ?!"

Estrutura Artística

  • Capa: amos esta edição, essas gravuras são demais.
  • Título da Obra: eu não tinha ideia do que seria o Restaurante no Fim do Universo, mas fiquei encantada quando descobri.
  • Sinopse: muito boa, deixa o leitor curioso.
  • Diagramação: 34 capítulos numerados com apenas um erro (proporção 1:176)


Estrutura Física

  • Capa: Qualidade inferior, por se tratar de uma edição econômica.
  • Páginas: amareladas, ou seja, refletem menos a luz.
Análise
Espaço: 5
Habilidade do autor: 5
Diversidade de ambientes: 5
Tempo: -
Concordância com a época: -
Passagem do tempo: -
Personagens: 4
Interação: 5
Personalidades: 3
Aparência e carisma: 4
Enredo: 4,6
Originalidade: 5
Narrativa: 4
Intensidade da trama: 5
Estrutura Artística: 4,75
Capa: 4
Título da Obra: 5
Sinopse: 5
Diagramação: 5
- Erros: 5
- Fontes/Ilustrações: 5
Estrutura Física: 3,5
Capa: 2
Páginas: 5
Minha Opinião: 3,5
Nota Final:4,2


Amigo Dicionário
a.pó.cri.fo - Não autêntico, falso.