07/06/2015

[Resenha] A Escolha do Coração

Título Original: Yesterday's Sun
Autor: Amanda Brooke
Editora: Novo Conceito
Páginas: 336
Compare preços aqui.

Recém-casados, Holly e Tom se mudam para uma casa grande e confortável, onde ela espera esquecer de vez os fantasmas de sua infância problemática. O destino, contudo, lhe preparou uma surpresa, que se revela depois que Holly encontra um relógio lunar enterrado no jardim.
O relógio oferece a imagem de um futuro que é ao mesmo tempo animador e preocupante: a visão de um lindo bebê nos braços de Tom... mas Holly, estranhamente, não aparece na visão. Em pânico diante da previsão, ela teme que um dia precise fazer uma escolha terrível: dar um filho ao marido, sacrificando sua própria vida... ou salvar-se e se esquecer para sempre da filha não nascida – a quem Holly já aprendeu a amar.

Bisbilhotar o futuro é uma coisa perigosa. Por mais que seja tentador, o destino tem regras com as quais ninguém quer - e deve - brincar. Holly descobriu isto da pior forma possível.
Tudo estava correndo bem de acordo com seu plano de cinco anos: sua carreira artística começava a deslanchar, casara-se recentemente com Tom e, juntos, haviam se mudado para o campo. No entanto, nem o mais preciso dos planejamentos é à prova de imprevistos. Tom enfrenta instabilidades no emprego e se vê obrigado a viajar pelo mundo para garantir que será capaz de sustentar sua família - uma grande família, de preferência.
Ter filhos não é exatamente uma prioridade na vida de Holly. Sua infância traumática instaurou nela a certeza de que nunca serviria para a maternidade e quanto maior a distância que pudesse colocar entre si e um bebê, melhor. As coisas, porém, estavam prestes a mudar drasticamente.
"Tom lhe daria apoio, é claro, mas jamais entenderia seus medos. Não fora ele que caminhara por uma casa em que o ar estava pesado de luto. Tom não sentira o coração partir diante da visão da pessoa que ele amava desmoronando, e não vira Libby, com os olhos verdes mais lindos e perfeitos, encarando-o de volta, sem ser capaz de tomá-la nos braços (...)"
Um misterioso mecanismo no jardim da nova casa exerce forte influência sobre Holly, que se vê inexplicavelmente atraída para ele. Sem qualquer explicação racional, ela tem uma visão do futuro que faz com que seu mundo saia dos eixos, desconstruindo todas e quaisquer crenças sobre si que tinha anteriormente. Uma visão que lhe mostra que seu destino é ter uma filha, mas que não teria a chance de ser mãe. Para que a linda Libby pudesse viver, Holly deveria morrer.
"Um dia, você olhará para a nossa filha e saberá o que eu sei. Saberá que ela valeu o sacrifício."
A Escolha do Coração me surpreendeu. Não apenas pelo enredo cativante e desfecho emocionante, mas também pela fluidez da narrativa, pelo desenvolvimento sutil dos conflitos internos da personagem e pelo amadurecimento da mesma no decorrer da história. Uma das características desta obra que me agradaram foi o uso de elementos místicos, como o relógio lunar, e o uso da arte de Holly para expressar as mudanças que ocorriam na protagonista.
E fica a pergunta: seria o nosso destino controlado por regras que determinam o caminho que cada qual deve seguir?
"Se o relógio lunar me ensinou alguma coisa, foi que há menos caos no mundo do que podemos imaginar. As pessoas passam tanto tempo pensando se devem virar à esquerda ou à direita, e não percebem que de qualquer modo vão acabar chegando ao mesmo lugar"