Destaques

Newsletter

12/04/2020

Desprovida

Eu olho o meu reflexo no espelho. O que estou fazendo comigo mesma? Foto de Noah Buscher em Unsplash.
Ela passava facilmente despercebida no meio da multidão. Não possuía nada de especial ao primeiro olhar: ombros caídos, cabeça baixa, olhos que se distanciavam da realidade. Ela passava despercebida na vida. Não cultivava amizades sinceras e duradouras, e costumava isolar-se em qualquer lugar que pudesse oferecer a tranquilidade que não encontrava em seu interior.

Aparentava viver em paz. Uma paz que incomodava e afastava quem ousasse interferir em seu suposto equilíbrio. Parecia ser o suficiente para si mesma, sem que a falta de alguém consigo se fizesse notar. Por dentro, era um turbilhão de sentimentos que se enroscavam, se emaranhavam e faziam estragos irremediáveis em sua alma, já aquebrantada e acostumada à solidão inerente ao peso do pesar. Ao peso do culpar. Ao peso do lembrar. Ao peso de, a cada mísero dia, se odiar.

Se, talvez por um acaso do destino, alguém um dia decidisse notá-la a descreveria com apenas uma palavra: desprovida. Desprovida de laços, de sonhos, de viver - no sentido mais amplo da palavra. Desprovida de si. Há muito não sabia o que era sorrir espontaneamente, ver a beleza da vida ou a sua própria. Há muito convivia apenas com um buraco negro no peito que sugava qualquer centelha de esperança, de felicidade, de possibilidade. 

Possuía o estranho hábito de olhar para o céu, irrequieta. E, se questionada a respeito, diria estar procurando na imensidão do vazio um sentido na existência. Um amor entre desamores, apego em desapegos. Uma resposta na constância da dúvida. Talvez...


🙚🙘

Há muito tempo escrevi esse texto, quando estava mergulhando fundo no poço da depressão. Pensei em deletar mas, assim como a minha tatuagem, é como um lembrete de que eu sobrevivi aos momentos difíceis. Ver essas memórias não mais me causa dor: só faz fervilhar o orgulho da força que carrego dentro de mim. Já não me vejo refletida nesse vazio, mas sei que quem eu fui é parte importante de quem sou hoje.

Ufa! Ainda estão por aí? Vocês preferem carregar pedaços de quem foram, por mais dolorosos que sejam, ou simplesmente deixar ir?
Não deixe de seguir o Literalize-se nas redes sociais para mais conteúdo: Instagram | Facebook | Twitter
O Literalize-se é integrante do programa de associados da Amazon. Comprando através do link, o blog ganha uma pequena comissão, sem que você pague nada a mais por isso, o que ajuda a manter o site no ar, além de apoiar e valorizar o meu trabalho!
Essa postagem faz parte do projeto Fora da Caixa, em que algumas blogueiras desafiam a criatividade com temáticas mensais. Dessa vez, o tema foi reflexo. Também participam do projeto: 

VOA, LIBELINHA
VOA! 🙘


Postagem original: 22/09/2012 • Atualização: 12/04/2017 [revisão gramatical e ortográfica] • Atualização: 12/04/2020 [adição de imagens e nova estruturação do texto]

Comentários via Facebook

@literalize.se

© Literalize-se – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in