16/10/2015

[Imaginação em Tela] O Exorcismo de Emily Rose

Lançamento: 2 de dezembro de 2005
Duração: 1h59min
Direção: Scott Derrickson
Gênero: Suspense
Nacionalidade: EUA

Emily Rose (Jennifer Carpenter) é uma jovem que deixou sua casa em uma região rural para cursar a faculdade. Um dia, sozinha em seu quarto no alojamento, ela tem uma alucinação assustadora, perdendo a consciência logo em seguida. Como seus surtos ficam cada vez mais frequentes, Emily, que é católica praticante, aceita ser submetida a uma sessão de exorcismo. Quem realiza a sessão é o sacerdote de sua paróquia, o padre Richard Moore (Tom Wilkinson). Porém Emily morre durante o exorcismo, o que faz com que o padre seja acusado de assassinato. Erin Bruner (Laura Linney), uma advogada famosa, aceita pegar a defesa do padre Moore em troca da garantia de sociedade em uma banca de advocacia. À medida que o processo transcorre o cinismo e o ateísmo de Erin são desafiados pela fé do padre Moore e também pelos eventos inexplicáveis em torno do caso.

O que você pensaria de um padre acusado de negligência e homicídio? De um padre que aconselhou uma mulher a largar o tratamento médico em prol de um religioso? De um padre que perdeu a inocente alma de uma jovem para demônios? Este é o caso do padre Moore, que foi chamado pela família Rose para cuidar de sua filha, Emily, que supostamente estava possuída por alguma entidade demoníaca. O filme se desenrola ao redor do julgamento deste após um exorcismo falho e a posterior morte de sua "protegida", um embate entre a visão médica, científica, e a visão religiosa, dogmática. Ao longo desse tribunal é contada a história de Emily e o desenrolar de sua "doença", assim como é mostrada a relação do padre Moore com sua advogada, Erin Bruner, e as implicações de fazer parte de um "julgamento espiritual" na vida de ambos.

"Como podem achar que Deus está morto, se lhes mostrei o Diabo?"

É dito que o filme se baseia em fatos: Anneliese Michel, uma jovem alemã que morreu em 76 após dois padres tentarem realizar uma série de exorcismos frustrados. Há áudios e vídeos sobre esse caso, possíveis de serem encontrados na internet para aqueles que tiverem interesse na história que originou o filme.
Com uma alternância entre cenas do tribunal e recriações do que aconteceu, de acordo com cada ponto de vista, o filme evoluí de forma densa, mas de modo que prende a atenção do telespectador. Apesar de não ser assustador, como muitos filmes de suspense tentam ser, quem o assiste fica em uma constante ansiedade, quase que uma necessidade de saber o que irá acontecer com as personagens. O que posso dizer é que O Exorcismo de Emily Rose vale cada segundo de suas quase duas horas de filme, não só pela trama, mas também por nos fazer pensar se realmente existe algo além da vida.