10/02/2016

[Resenha] Nildrien - O Pergaminho

Autor: Manoel Batista
Série: Nildrien #01
Editora: Novo Século
Lançamento: 2015
Páginas: 586

Em um mundo de fantasia medieval, o despertar de uma poderosa energia em uma caverna milenar e remota faz com que os mais poderosos reinos de Nildrien se mobilizem para conseguir o artefato portador do poder: um antigo pergaminho criado pelo maior de todos os magos, contendo feitiços capazes de afetar o equilíbrio mundial. Sem poder enviar seus mais experientes e poderosos membros, resta às forças de reinos aliados formarem um grupo de jovens aventureiros para enviá-los ao maior desafio de suas vidas: uma aventura entre guerreiros, magos e monstros que dividem um cenário onde o fantástico e a magia se mostram mais presentes do que nunca. Uma jornada que mudará para sempre a vida desses jovens, repleta de drama, ação e humor.

A Caverna Antiga é conhecida por todos os reinos de Nildrien como um dos lugares mais perigosos e cheio de mistérios do continente. Poucos são os que se aventuram em suas profundezas e lendas aterrorizantes são contadas sobre o que pode se encontrar em seus túneis. Não poderia haver lugar melhor para esconder um poderosíssimo pergaminho, que garantirá poderes inimagináveis àquele que o possuir.
Um vez descoberto, o pergaminho passa a emanar uma forte energia que desperta a ganância de Asenhar, o reino das Trevas. Com o objetivo de impedir que tal poder caia nas mãos erradas, os reinos de Skyllus e Nalim unem forças em uma missão para encontrar o esconderijo o mais rápido possível.

Os primeiros capítulos de Nildrien são dedicados à apresentação dos personagens que acompanharemos no desenrolar da trama, o que permite ao leitor ter uma boa noção da personalidade de cada um deles. Tal estratégia cria a possibilidade de uma afeição maior por um ou outro, mas também faz com que não reste muito a se descobrir a respeito da história deles no decorrer da obra.
Talvez, por haver um número grande de personagens, sinto como se alguns tivessem sido mais bem trabalhados do que outro. Karson, Hanns e Damien, por exemplo, são fortes, fiéis às suas personalidades e histórias de vida, e cativam o leitor - de um forma ou outra, são interessantes. No entanto, senti muita falta de uma personagem feminina tão forte quanto eles. Lóris é uma boa personagem feminina e, embora desempenhe um grande papel, sinto que poderia ter um desenvolvimento maior. As outras garotas me pareceram extremamente frágeis e coadjuvantes, parecendo estar lá, na maioria das vezes, só para curar os verdadeiros heróis da história.
A trama, que no início tem um desenrolar lento devido à apresentação dos personagens, tem um pico repentino e é a partir daí que a magia de Nildrien realmente começa a acontecer: batalhas com seres fantásticos, lugares sombrios e a corrida contra o tempo para preservar o equilíbrio entre o bem e o mal.
É bem visível o fato do livro ter se baseado em uma campanha de RPG pelo modo como as lutas são descritas e pela evolução dos personagens conforme vão superando desafios. Conseguia facilmente imaginar os jogadores rolando dados e torcendo por uma esquiva bem sucedida. Embora a narrativa de Manoel Batista possa causar estranhamento inicialmente por não ser tão fluida, é bem detalhada e emocionante.
A sequência de Nildrien - O Pergaminho deve ser lançada em breve e aguardo ansiosamente por novas aventuras.