18/05/2016

[Resenha] Triângulo de 4 Lados



Unhas mal pintadas de preto e camisas de bandas. Ela ama O Diário de Bridget Jones, chocolate, e a banda Misfits. Odeia trovões, lágrimas, e ser chamada de criança. Sara Alcântara tem 17 anos e, como qualquer garota de sua idade, tem um relacionamento de amor e ódio com a mãe, com seus estudos, e com a própria vida. Ama suas amigas, que são seu suporte, e sua base. Tira boas notas na escola, por obrigação, mas deseja ser artista, porque pintar é sua verdadeira vocação.
Até aquela paixão adolescente, platônica, ela possui. Ele tem nome, sobrenome, e grau de parentesco. Rodrigo Guano é seu primo, e sonho de consumo de toda a população feminina da pequena cidade de Santa Fé, onde moram. Tudo muda quando ele a beija pela primeira vez. Então o mundo pode acabar, regimes podem cair, terremotos podem engolir a terra em rachaduras intermináveis, e Sara ainda estaria feliz. Ou assim ela pensa ser, até que viaja para Paris, para passar as férias. Quando volta, tudo está diferente, inclusive ela. Sara se vê inserida num triângulo amoroso... Ou seria um quadrado?

No meio de milhares de livros e pessoas da Bienal do Livro, Triângulo de 4 Lados me chamou a atenção de longe com essa capa maravilhosa. Estava resistindo bravamente à tentação de comprá-lo quando elas chegaram: sim, as autoras do livro, Fernanda Medeiros e Adelina Barbosa. As duas foram tão simpáticas e receptivas que acabei sendo convencida de comprar não só o primeiro volume, mas também sua continuação, Trevo de 4 Folhas.
Sara Alcântara acabou de completar dezessete anos e acha que está mais do que na hora de pararem de tratá-la como criança. Até porque, tendo uma paixão platônica pelo primo oito anos mais velho, é de extrema importância que ele perceba que já cresceu e não é mais sua priminha. Rodrigo Guano é aquele tipo de cara que, por onde passa, arranca suspiros: com os braços tatuados e guitarrista da sua banda de rock, ele é o sonho de consumo de qualquer garota.

"Aquela sensação ficaria guardada em minha mente pelo resto dos meus dias, e era a única coisa que tinha espaço em mim. Por isso não tornei a perguntar onde íamos. Porque não importava, de verdade. Desde que fosse com ele."
Quando eles se beijam pela primeira vez, Sara pensa que a felicidade finalmente chegou para ficar. Eles superariam todos os obstáculos juntos e seu sonho estaria realizado. Seria fácil assim? Claro que não. Um intercâmbio de férias mudaria tudo - tanto em si mesma quanto na realidade ao seu redor.

"Era como na música do Depeche Mode. Que dizia que promessas eram feitas para serem quebradas. Que dizia que sentimento eram intensos, e palavras insignificantes. Esquecíveis, desnecessárias... Palavras só podiam machucar. Por isso, apreciamos o silêncio."
Já nos primeiros parágrafos a narrativas das autoras me conquistou, pela sua forma poética e fluida. Me identifiquei com Sara pelo medo de trovões e pelo amor pela arte, mas devo admitir que nos primeiros capítulos achei a personagem um tanto quanto infantil (desculpa, Sara). No decorrer da trama, no entanto, ela evolui muito e consegue finalmente me cativar. Uma das coisas que contribuíram para essa conquista foram os balõezinhos de pensamento de Sara no meio da narrativa, em que ela conversa diretamente com o leitor. Isso fez com que eu me sentisse mais próxima da personagem, como se eu estivesse conversando com uma boa amiga.

"O fato era que Sara era por inteiro alguém que se permitia. Não tinha medo de se deixar sentir, ou se machucar."
Quanto aos homens da vida de Sara... Deus, que inveja.
Não gosto do Rodrigo de forma alguma. No começo eu tive um pouco de piedade, mas no decorrer da história ele conseguiu fazer com que eu o odiasse. Ele é aquele tipo de cara impulsivo e possessivo que, embora faça algumas garotas derreterem, me irrita.

"Porque eu sentia ciúmes, e não existia motivo de negar aquele fato. Sara me pertencia, afinal."
Meu amigo, não, ela não é sua.
Brent é meio-irmão de Rodrigo, americano e, diferente do irmão, arrancava meus suspiros só de estar em cena. Com um jeito mais frio e controlado de lidar com as coisas, Brent sempre pensa antes de qualquer movimento, como se estivesse constantemente em um jogo de xadrez. Desde criança era apaixonado por Sara, mas a boba ela estava ocupada demais apaixonada por Rodrigo para notá-lo.

"Não conseguia entender a facilidade em dizer tais palavras. Era algo tão pessoal, tão íntimo. Amar é tão sério. Emprestar seu coração para um sentimento que pode te fazer doente ou extasiado era tão perigoso. Tão... Único."
A terceira peça desse triângulo (?) vou deixar para vocês descobrirem com a leitura, mas garanto que é um personagem tão fascinante quanto todos os outros e que espero que tenha uma participação maior na continuação.
Triângulo de 4 Lados é uma leitura leve e gostosa, que faz com que o leitor se sinta íntimo dos personagens e fique ansioso para saber mais de sua história. Acho interessante ressaltar que nunca fui de ter paciência com triângulos amorosos, mas esse (que não é bem um triângulo) foi desenvolvido com tanta mestria que conseguiu prender minha atenção e fazer com que eu ficasse torcendo loucamente por um dos lados (#TeamBrent). Garanto que vocês vão se apaixonar e torcer para que Sara faça as escolhas certas, assim como eu!

Autor: Fernanda Medeiros e Adelina Barbosa
Editora: D'Plácido
Lançamento: 2015
Páginas: 320
Avaliação: ★★★★★❤