28/12/2016

Adeus 2016


Nas redes sociais, o descontentamento com 2016 é geral. E, sinto em dizer, eu me encaixo nessa maioria que achou o ano surpreendentemente cheio de acontecimentos trágicos - tanto no mundo quanto na vida real. Até brinco com meu namorado que é melhor nem sairmos de casa até o dia primeiro, porque é capaz que um raio nos acerte: aposto que os Baudelaire se sentiriam sortudos perto da gente. No entanto, de nada vale focar todas as nossas energias nas coisas ruins que aconteceram, não é mesmo? Pensando nisso, vou contar para vocês algumas coisas que aconteceram em 2016 que fizeram com que o ano valesse a pena.

Livros, livros e mais livros!


Há um bom tempo eu não conseguia ler muito, por estar me dedicando de corpo e alma aos estudos. Percebi que isso estava me fazendo muito mal, porque eu não separava um tempo para fazer as coisas que amo. Esse ano as coisas foram diferentes: não consegui alcançar a meta de 50 livros, mas estou muito satisfeita com os 37 lidos até então (ainda dá tempo de ler mais!).

Conheci Raphael Draccon

Pelos melhores sonhos... Por nunca, nunca acordar... Por compartilhar sonhos.
Viajei uns bons quilômetros da cidade dos meus pais até o Shopping Diamond Mall para conseguir autógrafos de Raphael Draccon - um dos autores nacionais que eu mais admiro. Eu tinha tanta coisa para falar, mas estava tão nervosa que só consegui balbuciar meu nome, que eu era blogueira e que amava seus livros desde que eles foram lançados. Mas ainda guardo o dia com um grande carinho na memória!

Voltei para ficar

Desde Julho de 2010, o blog passou por muitos altos e baixos: ele já foi desativado, já foi restartado, mudou de tema duas ou três vezes - mas, de uma forma ou de outra, sempre foi uma parte essencial da minha vida. Vê-lo ativo e crescendo a cada dia é uma das minhas maiores felicidades.

Quem não arrisca não petisca

Comecei a desenhar em 2013 e, junto com a leitura, é uma das coisas que mais sinto prazer em fazer. Isso deve ser novidade para vocês, acho que nunca comentei a respeito aqui no blog. No entanto, eu sempre fiquei em uma zona de conforto, só reproduzindo a arte alheia - não me achava capaz de criar algo que eu gostasse, tinha medo de ficar frustrada e acabar desistindo da arte. Esse ano eu acabei dando um grande passo para achar o meu próprio estilo e foi uma das experiências mais gratificantes do ano.

Senhorita Organização

Sempre tive dificuldade em me organizar - no sentido de me lembrar de datas, compromissos e tarefas. Nunca deixei meu quarto como o da Cristina Yang, juro. Esse ano descobri um método que mudou minha vida completamente, o Bullet Journal. Além disso, também comprei um caderno especialmente para planejar as postagens do blog - o que me poupa boas horas sentada na frente do computador com bloqueio criativo.

[+] LEIA TAMBÉM: BULLET JOURNAL - BYE BYE PROCRASTINAÇÃO!

I'll be there for you

Desde que me conheço por gente, fui uma pessoa muito tímida e fechada. Não importava o tempo de amizade: eu simplesmente não deixava as pessoas me conhecerem de verdade. Isso começou a melhorar nesse ano, em que eu aprendi a desabafar e percebi que nem todo mundo vai fugir de alguém que quer conversar sobre seus problemas. Também conheci algumas pessoas incríveis que quero levar para toda a vida - e grande parte disso se deve a superar a timidez que não me deixava falar confortavelmente com pessoas desconhecidas.

De todos os amores, o próprio

Em 2016, aprendi muito sobre mim mesma - tanto por meio da terapia quando por reflexões a respeito da vida. O amor próprio é um longo processo, que não estou nem perto de finalizar, mas que traz benefício inimagináveis pra alguém. Foi me conhecendo, me entendendo, que passei a cuidar mais de mim mesma - a me amar, de verdade. E acho que conquista maior que essa, considerando todo o meu histórico, não há.

Quais momentos e aprendizagens vocês estão levando de 2016? Me contem nos comentários!