07/04/2017

Cry Baby: negligência familiar

Melanie Martinez tem bombado na redes sociais: o youtube está cheio de reacts e não tem quem não esteja comentando sua performance no Lollapalooza, que eu não presenciei por ser uma pobre universitária. Conheci a artista há pouco tempo, em janeiro desse ano, da maneira mais inusitada de todas: milhares de comentários nos vídeos do Felipe Neto implorando para que ele fizesse um vídeo reagindo aos clipes da artista.
Decidi dar uma chance. Lembro que meu primeiro contato foi com a música Mrs. Potato Head - que me conquistou de cara pela baita crítica social aos padrões de beleza impostos pela mídia. Aos poucos fui conhecendo outras músicas. Logo estava ouvindo todo o álbum - infinitas vezes. Fiquei simplesmente fascinada pela proposta de aceitar a sua loucura e não mudar seu jeito de ser pelos outros. Melanie Martinez é uma artista completa: escreve suas próprias músicas, produz o roteiro de seus vídeos e imbui um significado profundo em cada uma de suas letras.
Um pouco sobre a trajetória da Mel (porque sou íntima): ela participou do The Voice em 2012, na época com apenas 16 aninhos, chegando nas semi-finais; e em 2015 lançou seu álbum de estréia, composto por 13 faixas - que é o real tema dessa postagem. Um dos aspectos mais interessantes de Cry Baby é que ele conta uma história e permite diversas interpretações: é por isso que existem comunidades de fãs por aí dedicadas única e exclusivamente a criar teorias sobre qual seria a verdadeira história de Cry Baby, "protagonista" do álbum e alter-ego da própria Melanie Martinez.
Eu, como boa crybabie que sou, também tenho minhas teorias e resolvi compartilhar com vocês algumas delas. Vou dividir o assunto em quatro partes para que as postagens não fiquem muito longas (juro que as outras serão menores) e os focos serão os seguintes:

  • Cry Baby: negligência familiar
  • Cry Baby: dificuldade em se relacionar
  • Cry Baby: solidão e abuso
  • Cry Baby: rejeição e loucura
Vamos lá?


Os primeiros minutos do vídeo mostram o nascimento da Cry Baby - que não parece ter sido uma notícia lá muito agradável para a mãe, que fica incomodada com o choro da criança e está mais preocupada em fumar o seu cigarrinho de cada dia. Já nesse clipe podemos perceber a negligência familiar a que a criança está sujeita: a mãe é uma alcoólatra e o pai está ausente em todos os momentos. 
Cry Baby é muito sentimental, como dito nas primeiras frases da música: você parece trocar seu cérebro com seu coração / você leva as coisas na ofensiva e então desmorona / você tenta explicar, mas antes de começar / essas lágrimas de bebê chorona saem do escuro. A letra ainda deixa claro que, embora ela seja toda sentimentos, ela também tem muita força para aguentar as porradas da vida (e das pessoas ao seu redor): eles te chamam de bebê chorona, mas você está pouco se f*dendo. É nessa música também que Melanie deixa clara a sua identificação com a personagem do álbum: eu olho para você e vejo eu mesma / eu te conheço melhor do que ninguém / eu tenho a mesma torneira em meus olhos / então suas lágrimas são minhas.
A minha teoria sobre essa introdução do álbum é bem simples, na verdade, mas vai ter bastante importância nos próximos clipes. Eu creio que os primeiros minutos do vídeo, quando a mãe está grávida e o Dr. Coelho (ou Valter, de acordo com o vídeo de react do Felipe Neto) bate na sua barriga como se fosse uma piñata representa aborto - uma provável consequência do álcool e outras drogas mais pesadas. Logo, a mãe de Cry Baby teria dificuldades em ter filhos (e talvez nem os desejasse, considerando o contexto familiar). 
Outro detalhe que acho importante nesse vídeo é a casa de boneca que aparece inundada pelas lágrimas da Cry Baby no final. No próximo clipe vocês vão entender o por quê.


Em Dollhouse, vemos um pouco mais sobre a família de Cry Baby - agora com aproximadamente dez anos, considerando o quanto seu irmão envelheceu entre os vídeos (lembram do garotinho que acendeu o cigarro da mãe?). Descobrimos que o pai trai a mãe e que seu irmão seguiu pelo caminho das drogas, mas a família tenta manter as aparências posando para a foto no mais perfeito estilo comercial de margarina
Nesse vídeo também é bem perceptível os efeitos que a negligência familiar tem na saúde mental de Cry Baby: vemos em seu quarto diversas cabeças de bonecas e sua expressão é triste. Sempre que alguém está por perto, eles têm que voltar ao seu faz-de-conta particular: vão para seus lugares / vista seu vestido e coloquem seus rostos de bonecas / todo mundo pensa que nós somos perfeitas / por favor, não deixe eles olharem através das cortinas / sorria para a foto.

[+] LEIA TAMBÉM: CLARISSA, A MENINA ABUSADA PELO PAI


Assassinato e distúrbios alimentares: as coisas em Sippy Cup ficam ainda mais pesadas. A letra da música se relaciona muito com Dollhouse no sentido de desfazer a ilusão de que é possível "maquiar" algo para ser o que não é: sangue ainda mancha mesmo se os lençóis forem lavados / sexo não acaba se as luzes forem apagadas / crianças continuam deprimidas mesmo que bem vestidas / e xarope continua sendo xarope dentro de uma mamadeira. Lembra quando, em Dollhouse, é dito não os deixem ver o que se passa na cozinha? Nós veremos nesse clipe.
Depois de beber muito, como de costume, a mãe de Cry Baby desmaia no chão da cozinha. Ela acorda com os passos do marido - e de sua amante. Bêbada e com raiva das traições de seu marido, ela mata os dois. Cry Baby acorda com o barulho e vê, no chão da cozinha, os dois corpos. Sua mãe a apaga com clorofórmio - na esperança de que, por ser nova demais, ela não se lembre disso no dia seguinte. A letra também diz: ele ainda estará morto quando você acabar a garrafa / é claro que é um cadáver que você mantém no berço. Eu acho que isso pode ser interpretado de duas formas: a mais literal é que a mãe tenta esconder os corpos no antigo berço da Cry Baby; mas também pode ser o berço como representação de infância e o cadáver dentro dele seria apenas uma metáfora para todas as coisas destrutivas que Cry Baby presenciou durante seus poucos anos de vida. O fato da Cry Baby aparecer como um anjinho levou muitas pessoas a pensarem que sua mãe a matou no final do clipe, mas a própria Melanie refutou essa teoria - e acabou sendo uma confirmação pra teoria do cadáver no berço ser a morte da inocência.
O outro lado do clipe conta mais sobre o estado da mãe de Cry Baby. Além de alcoólatra, a letra também leva a entender que ela está sofrendo de transtornos alimentares: se eles inventarem uma nova pílula, você vai comprar / se eles disserem pra você se matar, você vai tentar / toda a maquiagem do mundo não vai te deixar menos insegura. E mais: você coloca pesos nos bolsos / quando você vai ao consultório / seu doce favorito é o algodão / é por isso que seus dentes estão todos podres. Conhecida como a "dieta da bola de algodão", algumas pessoas mergulham algodão em alguma bebida - geralmente doce - e engolem para dar a sensação de saciedade e, consequentemente, perder peso. A mãe de Cry Baby colocaria pesos nos bolsos para que não notassem o quanto ela estava abaixo do peso. Triste, não?

Vocês já conheciam a Melanie Martinez? Concordam com as minhas teorias? Me contem o que acharam nos comentários!