09/04/2017

Marley & Eu | John Grogan

Eu já conhecia a história desse incontrolável labrador pelo filme homônimo lançado em 2008, estrelando Owen Wilson e Jennifer Aniston - dois atores de peso que eu gosto muito. Estava à procura de uma leitura leve, para relaxar entre leituras mais densas, e realmente não espera me apaixonar tanto pela narrativa das travessuras de Marley: me vi rindo horrores sozinha e chorando no meio de uma aula (sad but true).

A comoção se inicia quando você se dá conta de que aquela é uma história baseada em fatos reais: John Grogan decidiu escrever a obra logo após um artigo sobre Marley atingir sucesso estrondoso. O jornalista conta como Jenny e ele, recém-casados, duvidaram de sua capacidade de criarem filhos - e dessa insegurança surgiu a incrível ideia de comprar um filhotinho peludo, para que aprendessem a ter responsabilidade para com outro ser vivo.
Mal sabia o casal que aquela bolinha de pêlos, por algum motivo incompreensível sendo vendido em liquidação, rapidamente se tornaria um monstro de quase cinquenta quilos, cujas principais habilidades eram babar e roer tudo que fosse acidentalmente esquecido em algum canto da casa. Espírito livre e indomável - embora um tanto quanto medroso e covarde -, Marley se mostrou um grande desafio... mas também uma das maiores fontes de alegria e lealdade que uma família poderia pedir.
As folhas de guarda trazem fotos do Marley em diferentes momentos de sua vida
Com uma narrativa leve, acompanhamos o crescimento do potencial destrutivo de Marley em uma ordem mais ou menos cronológica: cada capítulo conta sobre um caso específico do bagunceiro, e são organizados mais ou menos em uma linha do tempo, podendo às vezes se adiantar um pouco na história para encerrar aquela situação específica. Marley é a essência pura dos labradores: eternos moleques, mesmo em sua velhice - não exatamente um cão apropriado para criar dentro de casa, mas certamente o melhor companheiro para uma nova família.
Em toda a minha vida, sempre tive cachorros - mas eles nunca foram criados dentro de casa e passaram a ser cada vez de maior porte. Eu tenho dificuldade de lidar com cães muito grandes, porque gosto de bichinhos que posso carregar no colo, encher de carinho e amor; logo, eu me apegava muito aos filhotinhos e acabava me afastando quando eles cresciam, até porque eram criados no quintal e acabavam ficando distantes do meu convívio diário. Lendo esse livro, me senti um pouco triste de não ter aproveitado tanto: de não ter feito mais esforço pra ensiná-los a passear como cães bem-educados (e não me arrastarem por aí), de não ter feito mais carinho independente do cheirinho desagradável que ficava na minha mão... Acho que por isso me emocionei tanto. Cachorros são seres tão puros, não é mesmo? Te dão todo o amor do mundo em qualquer tempinho livre que você tiver, sem se importar se você o deixou esperando o dia inteiro sozinho.
Marley & Eu consegue reunir uma narrativa leve e fluida com uma história divertida e emocionante. Vale a pena separar algumas horas de seu dia para rir e chorar com a incrível vida do melhor cão do mundo.
Título: Marley & Eu | Autor: John Grogan | Editora: Ediouro | Páginas: 303
Skoob | Goodreads


Vocês já leram o livro ou viram o filme? Também se emocionaram? Me contem nos comentários!