12/07/2017

Dia 9 | Carta a alguém que eu gostaria de conhecer

Esta postagem é parte do projeto 30 Days Letter Challenge, para saber mais e ler outras cartas clique aqui.
Tem alguém aí?
Para ser bem sincera, não sei porque estou me dedicando a escrever estas palavras. Afinal, se houvesse uma resposta ela já teria vindo à tona... certo? Grande parte de mim quer simplesmente esquecer essa ideia idiota de escancarar a alma na esperança boba de que algo divino, maior do que todos nós, decida repentinamente ter piedade e dar o ar das graças. Talvez seja até este o motivo de sua ausência: parecemos tão tolos que nos tornamos dignos apenas de desprezo.
Mas aqui estou eu. Escrevendo. Um sinal claro de que a pequena parte de mim que ainda vive na luz ganhou, novamente, a batalha contra toda e qualquer escuridão. Perdoem a falta de literalidade. É desafiador tentar ser objetiva quando se trata de algo tão abstrato quanto Deus.
Não acho que eu tenha começado bem. Se tem uma coisa que eu aprendi com os tropeços que eu dei na vida foi que você não consegue nada de ninguém com uma atitude negativa - não importa quão mal você esteja, as pessoas não querem estender suas mãos para pobres coitados afogados em autocomiseração. Então vou tentar de novo, tudo bem?
Deus... ou seja lá como você prefere ser chamado. Eu sou apenas uma garota. Insipidamente comum e corriqueira, sério, não precisa consultar a ficha em busca de alguma qualidade especial. Não passo de uma menina que brinca de ser mulher, receosa de assumir suas dúvidas e medos porque ensinaram-na que a pureza da infância pode ser uma arma fatal. Vê, esse som? É uma casca vazia. O que todos vêem não passa de aparências. De camadas embaixo das quais se esconde meu verdadeiro eu: uma garotinha desesperada por algum conforto, atormentada por tantas incertezas e castigada por confiar demais. Mas você já sabe disso. Se você existe.
Não vim com a intenção de que sentisse pena de mim e, milagrosamente, resolvesse ser um pai presente. Muito menos quis julgar por um segundo sequer sua abstenção. Não. Só queria lhe dizer que seria um prazer te conhecer de verdade porque, no final das contas, você deve ser tão quebrado e oco quanto eu.