Destaques

Newsletter

16/07/2018

AURORA: a beleza de ser

Eu não sei ser pouco. Odeio perder o controle, talvez justamente por saber que não há nada que eu possa fazer em relação às minhas próprias emoções: elas estão à solta, às voltas consigo mesmas enquanto preenchem todo o meu ser e envolvem qualquer coisa que eu faça. Seja ao amar, seja ao odiar: é com devoção. Dizem que eu exalo vida ⎼ embora essa afirmação sempre tenha soado como uma incógnita para mim. Pode parecer pretensioso de alguma forma, e eu juro que não é essa a intenção, mas acredito que seja este o motivo pelo qual a bela estranheza de AURORA tanto me encanta: ela não apenas sente esse turbilhão, como não teme deixá-lo à vista para que todos possam ver. E hoje, eu gostaria que vocês também vissem.
Por mais que eu tente, não consigo me lembrar muito bem como conheci a artista ⎼ muito provavelmente devo isso às sugestões de vídeo do YouTube, bendito sejaAurora Aksnes, conhecida como AURORA, é um serzinho que ilumina qualquer ambiente em que esteja com sua sinceridade ingênua e energia intensa: características perceptíveis em entrevistas e performances que, de acordo com a mesma, são as partes mais difíceis para ela. Introvertida e tímida, AURORA sempre diz que não há melhor lugar para se estar do que na quietude do lar ⎼ e, na falta deste e na impossibilidade de caminhar em uma floresta qualquer, ela se recolhe à sua própria companhia por meio de meditação e ioga, porque o importante é não perder-se de si mesma. 
Talvez você a reconheça de algum lugar (de Deus Salve o Rei, por exemplo): com sua pouca idade e curta carreira, AURORA já conquistou fãs por todo o mundo, denominados warriors & weirdos. O que surpreende é descobrir que, se não fosse por sua mãe, ela não teria feito a escolha de se inserir na indústria da música: ela já se sentia mais do que realizada escrevendo para si mesma as melodias e poemas sobre todos aqueles sentimentos que transbordam, mas que temos medo demais para olhar de perto. Creio que todos nós somos gratos a senhora May Britt Aksnes por ter dito à filha que suas músicas poderiam ajudar outras pessoas a perceberem que memórias ruins do passado podem se tornar coisas boas ⎼ e que sua mensagem não devia ser escondida do mundo. Valeu, sra. M!


Seu álbum de estréia, All My Demons Greeting Me As A Friend, que você pode e deve ouvir no Spotify, nos faz sentir ⎼ e é isso que o tornar tão memorável. As músicas de AURORA nos dizem, por meio de uma linguagem poética, que tudo bem não estar bem. Que podemos deixar nosso lado mais frágil vir à tona e que não somos menos fortes por isso. A artista acredita que, acima de tudo, o que importa é a união e o amor: e é isso que podemos ver no single Queendom, prévia do álbum que deve sair ainda esse ano, cujo foco é o empoderamento e a força ⎼ é quase como se os álbuns conversassem entre si, não é mesmo? 
O que AURORA deixa para mim, e eu espero que essa voz angelical possa passar para vocês também, é de que não tem problema algum em ser diferente, em não se encaixar, em sentir as emoções tomarem conta de seu corpo e de suas ações. Quando você entender e aceitar que isso faz parte de quem você é, quando respeitar o que aquele oceano de sentimentos te diz... você pode renascer como algo ainda mais belo do que já é ⎼ mesmo que para as outras pessoas pareça estranho.  Somos únicos e essa é a beleza de ser. "Se é que isso faz sentido", como diria AURORA.
Ufa! Ainda estão ainda? Vocês já conheciam a AURORA? Se sim, me contem qual a música preferida de vocês! Se não, me digam, gostaram de conhecer essa rainha?

VOA, LIBELINHA
VOA 🙘

Comentários via Facebook

@literalize.se

© Literalize-se – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in