Destaques

Newsletter

09/02/2021

Don't Panic: dicas para não surtar com o cartão de crédito

RESUMO DO TEXTO
  • O cartão de crédito representa uma grande liberdade financeira para jovens adultos.
  • Apesar disso, requer cuidados no uso para não se tornar um vilão.
  • Cultivar as boas práticas listadas no texto pode fazer com que o cartão trabalhe ao seu favor.
O primeiro cartão de crédito a gente nunca esquece, não é mesmo? Pode parecer estranho, mas eu lembro com clareza do momento em que finalmente tive em mãos aquele objeto retangular que parecia emitir uma aura quase mágica – a ingenuidade era resultado direto de uma vida inteira vendo pessoas pagarem compras com aquele pedaço de plástico ao invés de dinheiro, sem entender todos os processos financeiros por trás daquela invenção magnífica da humanidade. Minha inexperiência recheou o momento de formalidade: era como se só então eu estivesse ultrapassando a tênue linha entre ser uma adolescente irritante e ser uma adulta relativamente independente. Mas a verdade é que ninguém, com exceção do tio Ben, te avisa que com grandes poderes vem grandes responsabilidades. Queria eu que alguma boa alma tivesse me explicado logo de cara que passar no cartão o lanche nosso de cada dia acaba em uma fatura de trezentos reais no final do mês.
Foto: CardMap
Depois de muitos erros e alguns acertos, aprendi alguns truques valiosos para tornar o cartão de crédito um aliado e não mais um inimigo. Decidi compartilhar algumas dessas dicas com vocês para que não precisem, como eu, surtar ao escolher entre o xerox da disciplina e aquele cafezinho antes das aulas – e, bem, meu atual vício em cafeína não me deixa mentir sobre qual das opções ganhava.


Dicas para manter o cartão de crédito sob controle


  • Explore as opções de cartão de crédito disponíveis.
Hoje em dia o que não falta são opções de cartão de crédito – é tanto que não me lembro da última vez que fiz compras em uma loja grande sem ser abordada com a oferta de algum cartão supostamente sem anuidade ou custos adicionais. Cuidado ao aceitar essas propostas, por mais tentadoras que pareçam: quanto mais contas bancárias e cartões ativos, mais difícil será controlar suas finanças. Antes de decidir, é importante estudar detalhadamente os benefícios e os contrapontos de cada oferta. No meu caso, eu escolhi um banco digital pela facilidade de controle por meio do celular e pela possibilidade de realizar investimentos de baixo risco com o dinheiro que sobra no final do mês.
  • Planeje com antecedência compras de valor elevado.
Por que parcelar hoje se você pode conseguir desconto amanhã? Há anos uso este como o meu lema pessoal para compras de valores mais significativos: se não for algo urgente, prefiro juntar dinheiro por alguns meses para pagar à vista. Essa estratégia é interessante por dois motivos: 1) você garante os melhores preços com os descontos sobre o valor total, que costumam ser ofertados na maioria das lojas online e negociáveis em praticamente todas as lojas físicas; 2) além de evitar dor de cabeça com juros posteriores, você não perde parte do limite do seu cartão de crédito por um tempo prolongado – o que pode ser impedimento para novas compras e dificultar do controle financeiro.
  • Use o limite do cartão de crédito a seu favor – tanto para controle quanto para segurança.
Outra boa prática com relação ao limite do seu cartão é mantê-lo dentro da sua realidade. Se você precisa pagar todas as contas e sobreviver com uma bolsa de mestrado no valor de R$1.500, realmente faz sentido ter um limite acima de R$1.000? Limites existem por um motivo: eles servem para te lembrar do quanto você pode gastar com segurança, sem comprometer seus compromissos financeiros – e, com sorte, guardar um pouquinho a cada mês! De nada adianta tentar abocanhar um pedaço maior do que a boca: manter um limite realista em relação aos seus ganhos pode te ajudar a evitar compras impulsivas. Se esse argumento não foi o suficiente, dou outro. Recentemente meu cartão de crédito foi clonado e só não conseguiram torrar minhas economias porque o limite estava em um valor bem baixo visto que eu não planejava nenhuma compra grande naquele mês! 
  • Crie o hábito de analisar suas movimentações bancárias.
Sabe aquele momento de tédio em que, sem nem perceber, você abre alguma rede social? Eu faço isso com o aplicativo do banco pelo menos uma vez por dia. Pode parecer estranho, mas eu juro que faz sentido: conferir frequentemente as movimentações da sua conta traz um autoconhecimento precioso sobre seus gastos e ganhos mensais. Um exercício interessante para esses momentos é categorizar suas despesas, para ter noção de quanto gasta com cada coisa e repensar o que realmente é necessário – por sinal, foi assim que eu descobri que estava comprando mais jogos do que deveria na Steam...
  • Atente para datas de vencimentos e taxas de juros.
Pode parecer uma dica óbvia, mas não custa lembrar: nunca deixe a fatura do seu cartão de crédito vencer. É sério. Os juros são absurdamente altos e você pode ser pego desprevenido com o valor no final. Se o seu aplicativo ou banco não notifica quando a fatura fecha, recomendo configurar alarmes no celular ou colar algum post-it bem chamativo em lugar visível. O importante é não esquecer! Caso você tenha exagerado naquele mês e saiba que não vai dar conta de pagar, tente conferir as opções de parcelamento o mais rápido possível – os juros ainda existem, mas são bem menores. Além disso, alguns bancos oferecem descontos para clientes que pagam as fatures antes da data de vencimento: vale a pena conferir se essa possibilidade existe para você, porque sempre é bom economizar.


Por sorte, eu nunca me meti em grandes enrascadas financeiras – embora deva admitir que houve uma época em que fui ligeiramente obcecada por cartas e acessórios de Magic: The Gathering (que não são lá muito acessíveis, convenhamos). Era uma época em que eu ainda não era assombrada pelas responsabilidades da vida adulta, então pude viver essa fase sem grandes consequências... mas definitivamente teria poupado uma quantia considerável se me esforçasse para ser mais comedida em gastos supérfluos.

Ufa! Ainda estão por aí? Vocês já seguiam alguma dessas boas práticas? Têm algum outro truque escondido na manga? Me contem nos comentários!
Não deixe de seguir o Literalize-se nas redes sociais para mais conteúdo: Instagram | Facebook | Twitter
O Literalize-se é integrante do programa de associados da Amazon. Comprando através do link, o blog ganha uma pequena comissão, sem que você pague nada a mais por isso, o que ajuda a manter o site no ar, além de apoiar e valorizar o meu trabalho!
VOA, LIBELINHA
VOA! 🙘

Comentários via Facebook

@literalize.se

© Literalize-se – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in